sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Lei de incentivo ao turismo é aprovada em Ribeirão Pires

Da redação

Ribeirão Pires, a única cidade Estância Turística do ABC, aprovou em 9 de novembro a Lei Municipal de incentivo tributário para a instalação e ampliação de estabelecimentos hoteleiros. Com o aval do Legislativo, a Prefeitura fomentará a atividade turística, por meio da concessão de isenções total ou parcial de impostos municipais – ISS, IPTU e demais taxas municipais – peplo período de dez anos.

Estátua São José localizada em Ribeirão Pires | Foto: Gabriel Mazzo/PMETRP 
Os incentivos poderão ser pleiteados por hotéis, resorts, hotéis fazenda, pousadas, flats/apart-hotel, SPA´s/Thermas – empreendimentos novos ou projetos de ampliação de empreendimentos já instalados na cidade. O prazo para a concessão da isenção poderá ser prorrogado por até 20 anos.

"Ribeirão Pires, única Estância do ABC, tem grande potencial de desenvolvimento da atividade turística, uma alternativa viável e compatível com as características da cidade para estimular a economia local. Fomentando o turismo, e possibilitando a ampliação da estrutura de receptivo aos visitantes, também atendemos à Lei Complementar Estadual 1.261, de 2015, que estabelece regras para que os municípios mantenham ou conquistem o título de Estância", explica o prefeito Adler Teixeira – Kiko.

A nova lei de incentivos ao turismo estabelece critérios para a concessão de isenções. Para o caso de empreendimentos já instalados, é necessário projeto de ampliação de instalações em 25%, no mínimo – com incentivos incidentes apenas na área ampliada. É necessário que as empresas invistam, pelo menos, 0,5% do faturamento bruto anual em projetos de responsabilidade sócio-ambiental, seguindo norma ISO 26.000.

Os pedidos de isenção deverão ser feitos à Prefeitura anteriormente ao projeto de construção ou ampliação. Os documentos apresentados serão avaliados por Comissão Especial designada pelo prefeito e também deverão ter parecer favorável do Conselho Municipal do Turismo – COMTUR.
A Lei Complementar Nº 1.261, de 2015, estabelece condições e requisitos para a classificação de Estâncias e de Municípios de Interesse Turístico. Entre os pontos exigidos estão: ter Plano Diretor de Turismo aprovado e revisado a cada três anos; dispor de equipamentos e serviços turísticos, como meios de hospedagem, serviços de alimentação e de informação e receptivo turístico; dispor de infraestrutura de apoio turístico; manter Conselho Municipal de Turismo devidamente constituído e atuante; entre outros.

Antes da implantação da lei o secretário de Turismo e Desenvolvimento Econômico de Ribeirão Pires, Marcelo Menato, explica que foram realizadas várias medidas. "Iniciamos uma série de ações já considerando a necessidade de recuperarmos tanto a infraestrutura turística da cidade como também a participação da sociedade civil nos debates e proposições para o setor. Resgatamos o Conselho Municipal do Turismo, até então desativado. Apresentamos e aprovamos projeto voltado ao receptivo turístico na região central e avançamos, com a expertise do Senac, no processo de elaboração do Plano Diretor do Turismo. Com a aprovação da lei de incentivo fiscal, demos mais um importante passo para o fortalecimento do turismo em nossa cidade.", avalia 

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Inscrições abertas para programa de empreendedorismo da Campus Party

Da redação

Empreendedores interessados em participar da 5ª edição do programa Startup & Makers, que ocorrerá dentro da 11ª Campus Party Brasil, já podem se inscrever aqui até 23 de novembro. O evento ocorre de 30 de janeiro e 4 de fevereiro de 2018, no pavilhão de exposições do Anhembi, em São Paulo. 

Nesta próxima edição, o programa contará com 80 startups Early Stage - projetos pouco avançados, com equipes bem definidas, primeiros protótipos criados e ainda testados que não receberam investimento -, 80 na categoria Growth Stage – startups avançadas, com uma equipe robusta e desenvolvida, produtos lançados no mercado, com ou sem investimento, que já possuam faturamento – e um grupo de makers - entusiastas e hobbyistas que são capazes de criar, construir, modificar ou fabricar objetos e/ou projetos, com ou sem o uso de tecnologia, englobando diversas áreas como internet das coisas, fabricação digital, eletrônica, software, robótica, games e impressão 3D. Todas ficarão na área Open Campus, que é gratuita e aberta ao público, entre 31 de janeiro e 3 de fevereiro.

“O Startup & Makers é um programa criado em 2011 e que já ajudou mais de mil empresas embrionárias no País. Não se trata apenas de oferecer aos jovens empreendedores um espaço de exposição, mas sim uma oportunidade para trocarem contatos e conhecimentos, fazerem networking, participarem de mentorias e quem sabe encontrarem investidores, incubadoras e aceleradoras que costumam visitar a área atrás de potenciais novos negócios”, explica o diretor-geral da Campus Party Brasil, Tonico Novaes.

Seleção 

Após o período de inscrições, os projetos passarão por um comitê de seleção, que levará em consideração na escolha das startups classificadas os seguintes critérios: maturidade (engloba fatores como curiosidade, ideação, operação e tração), modelo de negócios (clareza da proposta de valor, tamanho do mercado e escalabilidade da solução), equipe (experiência profissional no setor onde a startup atua, conquistas realizadas e dedicação exclusiva), inovação (grau de novidade da solução, probabilidade de se tornar um produto viável e diferenciação em relação a potenciais concorrentes). Já no caso dos projetos da categoria makers, serão considerados quesitos como detalhamento e clareza da proposta apresentada, sinergia com as temáticas da Campus Party Brasil e a cultura maker, originalidade, criatividade e interatividade com tecnologia e inovação, e impacto social. 

A divulgação final dos selecionados será feita através das mídias da Campus Party, em  09 de dezembro 2017.

Confira abaixo o cronograma do programa Startups & Makers:

 27/10/2017 a 23/11/2017 – Inscrições.
24/11/2017 a 08/12/2017–Seleção.
09/12/2017– Divulgação dos selecionados.
11/12/2017 a 20/12/2017- Confirmação de presença.

Os selecionados que não confirmarem sua presença dentro do prazo indicado serão automaticamente desclassificadas e a sua vaga será oferecida para outros projetos seguindo a ordem de seleção. 

05/01/2018 – Divulgação dos selecionados da segunda chamada.
08/01/2018 e 12/01/2018 – Confirmação de presença da segunda chamada.
13/01/2018 – Divulgação final dos projetos selecionados.
15/01/2017 – Envio do manual do expositor e códigos de ativação de credencial para os selecionados.
19/01/2018 – Conferência via Facebook no perfil da Campus Party Brasil de alinhamento de exposição com base no manual e regulamento
31/01/2018 e 01/02/2018 – Exposição Growth stage/makers.
02/02/2018 e 03/02/2018 – Exposição Early Stage/makers.




Octopus Comunicação conquista novos clientes

A maior agência de propaganda do ABC paulista, e uma das maiores do interior paulista, a Octopus Comunicação acaba de conquistar novas contas: 99 Pop (aplicativo de mobilidade) e MetroFit (rede de self-storage espaços para guarda de pertences pessoais e corporativos)



A 99 Pop é uma versão da 99 Taxis, e tem uma forte campanha na região, cujo plano de midia privilegiou os veículos Out Of Home (OOH).

A MetroFit, que possui uma unidade em Santo André, tem atuado com  agressividade na mídia também utilizando o OOH.

Ambas as empresas veiculam têm suas campanhas veiculadas na Redemidia, a maior rede de tv indoor do ABC paulista, e a MetroFit também é anunciante na revista Negócios em Movimento.


segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Nem todos podem diversificar os investimentos

Da Redação

A busca pela estabilidade financeira muitas vezes pode fazer com que o investidor corra riscos desnecessários sem perceber, devido a alguns atos precipitados. Analisar as opções com cautela antes de tomar a decisão final pode fazer a diferença entre ganhar, preservar ou até perder o poder de compra de um patrimônio. A vida e os mercados são imprevisíveis no longo prazo, portanto, estar preparado para bons e maus momentos é essencial. O Planejador Patrimonial do Grupo GGR, Fernando Marcondes, autor do modelo BPC (Blindagem do Poder de Compra), afirma: “Estou certo de que vamos enfrentar  outra grande crise entre os próximos 5 ou 7 anos. Esse é um processo cíclico e imprevisível. É essencial que estejamos preparados e nesse caso, a diversificação é um seguro grátis contra crise”. 

É muito comum investidores se sentirem protegidos por possuírem diferentes vencimentos de títulos de Renda Fixa de diversos emissores (Governo, Bancos, Empresas) mas, segundo Fernando Marcondes, na realidade eles estão expostos a uma única classe de ativo, o da renda fixa. Nesse caso, quando a taxa de juros sobe o investidor perde e vice-versa. Em contrapartida, caso possuam ao mesmo tempo investimentos em outros tipos de risco, a perda em um investimento pode ser bastante amenizada com o retorno de outros investimentos.  “A melhor opção é não colocarmos todos os ovos em uma única cesta, pois a diversificação é o que pode evitar grandes perdas, portanto, qualquer concentração é muito ruim porque ela é arriscada. E quando se concentra em ativos ilíquidos ou instáveis pode ser ainda pior. Entretanto, nem todos podem diversificar. Uma pessoa que possui um patrimônio de R$ 10 milhões, sendo que deste total, R$ 8 milhões estão divididos entre o apartamento que ela mora e a sua casa de praia e ambos ela insiste em não vender. Esta pessoa não tem liberdade de diversificar e correr riscos para remunerar melhor os R$ 2 milhões que estão líquidos”, alerta Marcondes. 

Ao procurar por estratégias para proteger o patrimônio, o investidor deve sempre buscar por:

1.        Construir o patrimônio de forma adequada;
a.    Visar o equilíbrio entre patrimônio Financeiro, imobilizado, societário e familiar; 

2.        Preservar o poder de compra do patrimônio que construir;
a.    Remunerar o patrimônio construído acima da nossa inflação pessoal, ou seja, de forma com que consiga comprar nos próximos 10 – 20 – 40 anos, no mínimo os mesmos bens e serviços que compra hoje, mantendo o mesmo padrão de vida.

Para preservar o poder de compra do patrimônio não existe uma fórmula mágica, mas só existe uma maneira: buscar de uma forma adequada investir em ativos com alto retorno esperado, que superem a inflação pessoal, com uma visão de longo prazo e correndo mais riscos, mas ao mesmo tempo, ter liberdade para viver tranquilo no curto prazo, pagando as despesas do dia-a-dia, sem precisar utilizar o que foi investido nos ativos de longo prazo. 

Quanto maior o retorno esperado de um ativo, maior o risco que se corre e maior deve ser o horizonte de tempo a ser observado, com isto, para se proteger, maior deve ser a diversificação. “A diversificação dos investimentos tem que ser feita de uma forma racional e não emocional, e pode ser considerada um seguro grátis contra crises, mas nem todos têm este privilégio. Por exemplo, supondo uma pessoa que tenha um patrimônio financeiro de R$ 1 milhão e uma despesa média recorrente de R$ 40 mil/mês (R$ 480 mil/ano), só seria adequado buscar investimentos de longo prazo, com maior expectativa de retorno e mais risco, ou até comprar um imóvel se, antes disto, tivesse de 3 a 5 anos de despesas (R$ 1.440 mil a R$ 2.400 mil) investido em ativos líquidos, com baixa expectativa de retorno e baixo risco, porque, caso aconteça algo  de ruim com ela ou com o mercado, não seria preciso resgatar os ativos de longo prazo ou vender um imóvel (na hora errada)”, explica o Planejador Patrimonial. 

Da mesma forma, supondo a pessoa com o mesmo patrimônio financeiro, mas com uma despesa anual de R$ 200 mil e R$ 800 mil de patrimônio, poderia ter R$ 600 mil de colchão investido em ativos de curto prazo e poderia tranquilamente investir os R$ 400 mil restantes diversificados em ativos de longo prazo. Claro que isto pode mudar de dependendo do caso, um estudo minucioso tem que ser feito, mas o princípio é o mesmo, mas, se você pode diversificar, porque não diversifica e, se não pode, porque o faz? De acordo com o Planejador Patrimonial, a lição básica do planejamento consiste na construção adequada e proteção do poder de compra do patrimônio construído. Pois, não adianta acumular e após alguns anos, o valor alcançado não ser o suficiente para comprar as mesmas coisas que se compraria hoje. Ou seja, é preciso buscar um rendimento maior do que a própria inflação pessoal, e é a diversificação eficiente que pode proporcionar isso. Mas antes é preciso adequar o patrimônio para que se tenha a liberdade de diversificar.



Confiança do Agronegócio sobe 6,7 pontos no 3º trimestre, para 99,1 pontos

Da Redação

O Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro), medido pela  Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e pelo Departamento do Agronegócio (Deagro) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), subiu 6,7 pontos no 3º trimestre deste ano em relação ao 2º trimestre, ficando em 99,1 pontos, indicando uma melhora significativa das expectativas, embora o entusiasmo ainda não tenha retornado aos níveis de 2016, quando no mesmo período registrou 106,3 pontos. De acordo com a metodologia do estudo, uma pontuação acima de 100 pontos corresponde a otimismo e abaixo disso indica baixo grau de confiança.

Foto: Reprodução

A recuperação do indicador foi percebida em todos os segmentos pesquisados. A indústria antes da porteira (insumos agropecuários) somou 104,8 pontos, alta de 11 pontos ante o trimestre imediatamente anterior. “Algumas incertezas que pairavam sobre o setor ao longo do ano foram amenizadas. Até a pesquisa atual as vendas de defensivos e fertilizantes avançaram pouco, uma vez que muitos produtores mantiveram uma postura mais cautelosa, adiando as aquisições dos insumos, diante dos baixos preços das principais commodities agrícolas, como a soja e o milho. À medida em que o plantio da safra de verão se aproximou, porém, as negociações voltaram a ocorrer, o que justifica a melhora da percepção das indústrias de insumos”, aponta Antonio Carlos Costa, gerente do Deagro da Fiesp.

Para a indústria depois da porteira (como as de alimentos e tradings), houve avanço de 5,8 pontos, para 102,7 pontos, ante o último levantamento. O resultado mostra que essas empresas retornaram a um patamar de otimismo moderado, muito próximo ao registrado em 2016. “A análise do resultado mostra que, embora as condições do mercado brasileiro ainda não sejam ideais, a continuidade do processo de ajuste econômico segue inspirando confiança, lembrando que este setor é um dos mais diretamente beneficiados em um cenário de aceleração da recuperação do poder de compra do consumidor, como é esperado para 2018”, avalia Costa.

Já para o produtor agropecuário, o avanço foi de 5,9 pontos em relação ao trimestre anterior, para 93,2 pontos. Ainda que pelo terceiro levantamento consecutivo o indicador permaneça abaixo dos 100 pontos, a recuperação não deixa de ser uma boa notícia. “Os resultados mostram que a confiança aumentou mais entre os pecuaristas do que entre os produtores agrícolas, depois de atingir o menor nível da série histórica”, diz Márcio Lopes de Freitas, presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

Em comum, o crédito foi um dos aspectos que contribuiu para melhorar os ânimos nos dois grupos. Segundo Márcio Freitas, “isso é consistente com um ritmo mais adequado de liberação dos recursos disponíveis para os produtores, que ocorre atualmente com mais facilidade do que na safra passada. Contribuiu também a resolução das pendências do crédito dirigido às cooperativas, a partir da publicação da Resolução nº 4.597, de 28 de agosto de 2017”.

O avanço do indicador apresentou uma alta mais moderada para o produtor agrícola dentre todas as categorias pesquisadas, ao alcançar 92,9 pontos, aumento de 3,1 pontos. No trimestre, os ânimos melhoraram em outro aspecto relevante: os preços agrícolas de commodities importantes como a soja e o milho se recuperaram um pouco em relação ao 2º trimestre, com a abertura de algumas janelas de comercialização.

No entanto esse movimento foi ofuscado pelo menor entusiasmo em relação à produtividade. “Isso era previsto, já que não se espera que as lavouras de grãos repitam os resultados recordes obtidos na safra passada”, observa Freitas.

Por fim, os pecuaristas formam o grupo que mais ganhou confiança no trimestre. Seu indicador subiu 14 pontos, chegando a 94,2 pontos. Depois de registrar no 2º trimestre o patamar mais baixo da série histórica (80,2 pontos), o indicador mostrou recuperação, embora esteja ainda abaixo dos 100 pontos.
“Vale destacar que no trimestre passado, os horizontes no mercado de carnes eram muito incertos: o setor ainda sofria as consequências da Operação Carne Fraca e pairavam muitas dúvidas após a delação da JBS, em maio desse ano. A melhora nos preços do boi ajudou a melhorar o ânimo dos pecuaristas”, completa Costa, da Fiesp.



sábado, 11 de novembro de 2017

Diretores da Acisa participam de visita técnica na Colômbia

Da redação


No final de outubro, o presidente da Associação Comercial e Industrial de Santo André (Acisa), Evenson Robles Dotto, e o diretor Evandro Banzato estiveram na Colômbia em busca de informações sobre as possibilidades de negócios entre os dois países. Eles viajaram a convite de Evandro Barros, presidente da Tec Mobile, empresa de soluções em tablets e software, com escritório em Santo André e em Bogotá.
Dotto esteve na Colômbia em outubro | Foto: divulgação 
Com o acordo de paz entre o governo colombiano e os rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), assinado há cerca de um ano, surgiu uma série de oportunidades de negócios.
Segundo o presidente da Acisa, a Colômbia necessita de muitos serviços e produtos. "Em Bogotá, existem até departamentos especializados em esclarecer dúvidas sobre tributação, legislação, negócios que o país colombiano necessita, além de dar apoio para empresas exportadoras", explica Dotto.
Durante a viagem, os representantes da Acisa visitaram a Aserto Negócios, Apex Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, Associação Colombiana de Empresas de Investimentos, Mercados e Opinião Pública, Invest in Bogotá e a Embaixada Brasileira – Setor de Promoção Comercial.
"É um país com PIB crescente e com baixo índice de desemprego", complementa o diretor Banzato, que também é Secretário Adjunto de Desenvolvimento e Geração de Emprego da Prefeitura de Santo André.
Empresários andreenses interessados em exportar para a Colômbia podem entrar em contato com a superintendência da Acisa, por meio do telefone 2199-1600.




quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Filho Sem Fila se torna diferencial na escolha da escola dos filhos

Escolher a escola em que um filho estudará envolve mais do que aspectos financeiros. É comum ouvirmos relatos de pais que, mesmo com o orçamento apertado, optam por instituições que ofereçam benefícios que superem suas expectativas, portanto, é possível agregar valor ao seu serviço e aumentar significativamente as chances de atrair um aluno (ou retê-lo).

Funcionários da escola têm informações completas sobre o aluno.

Mas afinal, o que mais chama a atenção dos pais na hora de decidir pela escola do filho? Como encantá-los? Além da qualidade de ensino, capacitação técnica dos professores e cursos extra-curriculares; outras questões também são observadas atentamente e colaboram na hora da decisão: estrutura física, segurança, comunicação, segurança alimentar, tecnologia da educação, limpeza, valores e estímulo ao desenvolvimento cognitivo, físico e social.

No topo do ranking
Entre os itens mais importantes de acordo com os pais, a segurança é disparado o assunto mais relevante (seja dentro das escolas, quanto nas ruas do entorno). A administradora Priscila Barucco Grubba Nardy, de 40 anos, é mãe de um menino de 1 ano e 7 meses e contou que visitou cinco escolas antes de se decidir. “Considerei a estrutura física, avaliando se existiam riscos de acidentes mais sérios; tipo de móveis e disposição; como as salas de aulas estão alocadas e se obedecem uma ordem conforme o ano escolar dos alunos; e reparei na exposição das crianças menores e bebês dos demais”, contou Priscila. “Outra questão, foi a forma como a instituição lida com a retirada do aluno de suas dependências. Conquistou a minha confiança, ao tomar conhecimento de que a escola que escolhi utiliza tecnologia para preservar pela integridade do meu pequeno. Apenas pessoas autorizadas formalmente e com foto de identificação podem buscar meu filho”, disse ela.

Hoje em dia, existem algumas ferramentas que são aliadas das escolas para resolver questões que envolvem segurança de forma moderna e prática. O sócio-diretor do aplicativo Filho sem Fila explica que soluções para resolver grandes problemas vivenciados na saída dos alunos arrebatam a confiança dos pais. “Imagine a satisfação de um pai quando ele tem reduzido em 75% o tempo de espera pelo filho na porta da escola, fica menos exposto a violência urbana, não corre risco de cometer infrações de trânsito e, principalmente, tem a tranquilidade de que nenhum estranho pegará seu filho”, aponta Leo Gmeiner.

O Filho sem Fila garante que todos os funcionários da escola, não apenas os da portaria, saibam quais são as pessoas autorizadas a retirar cada criança, com fotos e documentos. Antes de sair de casa ou trabalho para buscar os filhos, os pais ou responsáveis avisam à escola, com um único toque no aplicativo, que estão a caminho e, ao se aproximar, um aviso é enviado automaticamente com a antecedência necessária, para que o aluno seja preparado para a saída. Desta forma, basta, ao responsável, encostar o carro na porta da escola e o estudante embarcar, sem que seja necessário procurar por uma vaga na rua e estacionar.

Outro ponto levantado pelos pais é a importância de serem informados sobre o que acontece com as suas crianças quando estão na escola. Por isso, além das ferramentas tradicionais (e-mails, reuniões de pais), é recomendável utilizar o WhatsApp ou criar grupos fechados no Facebook para posts do dia a dia.

Por isso, de forma ainda mais moderna e prática, o colégio pode usar as funções Agenda e Comunicados (disponíveis inclusive no app Filho sem Fila) para enviar fotos, links e textos para pais específicos, turmas ou para todos os responsáveis de forma simples e intuitiva.

Com os olhos dentro da escola E para os pais que desejam acompanhar o filho durante o período escolar? Câmeras instaladas nas diversas dependências do prédio e interligadas a um sistema de monitoramento permitem acesso remoto e controlado.
O sócio-fundador da Berith Tecnologia, Marcello Valcézia Castro Nascimento, explicou que este serviço é muito simples, porém, fundamental na gestão escolar. “O acesso das imagens é feito pelo site e permite total controle da escola. Por meio de um painel web prático e intuitivo, a escola controla os dias, horários e câmeras que os pais visualizarão, utilizando login e senha individuais, com acesso pelo desktop e smartphones”, detalha Nascimento.

Alimentação como atrativo Vale a pena mostrar que a escola investe em educação nutricional. Ter um profissional acompanhando a rotina dos alunos, fornecendo orientação sobre o consumo de alimentos saudáveis e o cardápio ideal, também é um fator decisivo (principalmente para as crianças que sofrem algum distúrbio alimentar). “Em cada fase, a criança precisa de alimentos adequados para o bom crescimento e desenvolvimento. Por isso, a importância de um cardápio específico para cada faixa etária favorece a boa aceitação e nutrição. A educação alimentar inicia-se o quanto antes, por meio de atividades lúdicas, práticas e vivências da criança com o alimento e o meio que a cerca”, salientou a nutricionista Fabíola Lomes, da Bio Nutri Assessoria e Consultoria Nutricional.

Além disso, ao contar com os serviços de um nutricionista, a escola está respaldada por um profissional que orienta e supervisiona a alimentação escolar, informa sobre as adequações necessárias e implementa esse serviço de acordo com a legislação.
Para Leo Gmeiner, "atualmente, uma instituição escolar precisa ser criativa e inovar, ir além de uma grade pedagógica de qualidade e uma estrutura adequada. As pessoas querem mais e, estão cada vez mais exigentes. E estamos no momento de planejamento 2018. Por isso, oferecer mais e melhor, com custo reduzido ou zero é a receita para atrair alunos", aconselhou Gmeiner.

Sobre o Filho sem Fila
O aplicativo foi idealizado e desenvolvido em 2013, a partir da necessidade de um pai que identificou um método de perder menos tempo durante esta rotina diária, além, é claro, de manter os alunos e os pais mais seguros. O Filho sem Fila é o primeiro aplicativo a proporcionar segurança e agilidade a alunos, pais e equipes escolares durante a saída.

Atende mais de 100 escolas em todo o País, e está presente em 11 Estados e 30 cidades, nas quais promove economia de cerca de 30 horas/ano para cada pai que utiliza o sistema diariamente. Atualmente, são aproximadamente 30 mil alunos e 50 mil pais ou responsáveis usuários do sistema.

Alguns números:
Ganho de 30 horas/ano por pai
Cerca de 80 mil usuários entre alunos e responsáveis
900 mil chamados de alunos
Mais de 200 mil horas economizadas