sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Governo paulista fecha acordo que inclui uso de criptomoedas

O Governo do Estado de São Paulo assinou nesta quinta-feira, 14, parceria com a empresa norte-americana CG/LA Infrastructure para realização do Ilumina SP – projeto do Governo do Estado para oferecer, aos municípios interessados, modelo de Parceria Público-Privada de iluminação pública. A proposta do Estado é impulsionar a modernização da iluminação pública nas cidades oferecendo estudos de viabilidade atraentes à iniciativa privada, mas que também gerem receita aos municípios, reduzam custos e melhorem o serviço para a população.

“Sabemos que existem muitas demandas de PPP em iluminação, mas fazer PPP não é fácil, requer um conjunto de estudos, de engenharia, tecnologia e, principalmente, como adaptar os postes atuais e a eletrificação para um sistema de smart city”, comentou Karla Bertocco, subsecretária de Parcerias e Inovação. “Uma grande preocupação do Estado de São Paulo é que diferentes cidades que implementarem a PPP façam com a mesma linguagem ou com linguagens compatíveis. Porque quando se tem esse conceito de cidades inteligentes, que inclui além de energia, o wifi e também sistema de monitoramento por câmera, se cada um fizer de uma maneira, acabamos perdendo uma oportunidade de ter uma informação integrada e, com isso, melhorar os serviços públicos, inclusive do Estado, como a segurança pública e gestão de congestionamento”, explicou.

A grande novidade é que o projeto será financiado, em parte, com solução em blockchain e criptomoedas, e todo pago pela empresa CG/LA Infrastructure, que vai financiar e doar os estudos para o Estado, que por fim oferecerá consultoria gratuita às prefeituras. Serão investidos até US$ 1 milhão na contratação de serviços técnicos locais, nos municípios, para identificar necessidades de infraestrutura e de padronização de documentos licitatórios, criando um modelo público de referência.

“Vamos fazer um conjunto de estudos que inclui todo o trabalho de engenharia, infraestrutura existente, tecnologia viável, toda a parte financeira, e entregar para os municípios que quiserem implantar”, descreveu Bertocco.

Atualmente, é de responsabilidade dos municípios instalar e manter a iluminação pública. Por falta de recursos, muitas vezes a prestação do serviço é ineficiente, causando problemas de segurança e gastos elevados pelo consumo de energia elétrica. Por isso, o Governo irá apoiar os municípios na estruturação de soluções em iluminação pública.

Serão escolhidos municípios acima de 100 mil habitantes que estejam aptos a receber apoio para os estudos. Essas cidades servirão de referência para uma espécie de cartilha de como fazer parceria com a iniciativa privada na área de iluminação. A ideia é que os municípios tenham em mãos um formato padronizado de licitação e possam contratar, individualmente ou em consórcio com outras cidades, dando escala aos projetos. Em 90 dias, serão anunciados os municípios escolhidos e um plano de trabalho para a confecção dos modelos de iluminação pública. A conclusão deverá durar de seis a oito meses.

Uso de criptomoedas

Pela primeira vez, o Governo se abre ao estudo da utilização de criptomoedas, e inicia no mercado da infraestrutura. Dentre as mais de 1.300 iniciativas, a BuildCoin, criptomoeda utilizada, busca criar um ativo digital específico para a área de infraestrutura. Está sendo desenvolvida pela BuildCoin Foundation, entidade sem fins lucrativos, a ser estabelecida na Suíça, que pretende captar em 2018 aproximadamente USD 59,4 milhões para as atividades de desenvolvimento das soluções, financiamento de obras e construção de um meio de pagamento para o setor. Buscam, com isso, melhorar a integração do mercado de construção civil, reduzindo os custos transacionais, garantindo o uso de contratos inteligentes entre os elos da cadeia e promovendo um fundo de financiamento para as empreitadas registradas na sua plataforma sem a cobrança de juros.



quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Inflação dos supermercados tem queda histórica

O Índice de Preços dos Supermercados (IPS), calculado pela APAS/FIPE voltou a cair em novembro, após a alta em outubro, com variação de 0,80%. A redução no mês foi causada pela queda generalizada no preço dos alimentos, principalmente os hortifrutigranjeiros (2,52%) e industrializados (0,93%).


Com esta redução, o Índice acumulado chegou a uma queda de 2,56% para o mês de novembro, o que representa a maior redução desde a criação do Plano Real, em 1994. A baixa acumulada do leite (11%) e dos cereais, tais como arroz (7,36%) e, principalmente, o feijão (37,81%), foram recordes e também contribuíram para os resultados. Das dez maiores quedas em 2017, nove são deste grupo - com reduções de até 55%.

“Nunca observamos tamanha queda de preços e tão generalizada em produtos de grande peso na mesa do paulista como neste final de ano”, explicou Rodrigo Mariano, economista da APAS, que ainda completou. “Os principais motivos passam pelo lado da oferta, com a supersafra brasileira ocorrida ao longo do ano, fruto das condições climáticas extremamente favoráveis, e pela demanda, uma vez que o brasileiro continua a cortar consumo para conseguir pagar as contas e chegar com as finanças em dia no Natal.”

A projeção da APAS para o mês de dezembro e o fechamento do ano é uma inflação com queda acima de 2%, resultado extremamente relevante, pois seria a primeira queda acumulada de preços desde 2009, sendo a maior em um ano já vista na série histórica desde 1994.

“A produtividade da agroindústria brasileira, aliada ao clima, gera uma oferta muito mais alta que a população tinha condições de absorver pelo castigo sofrido ao longo do ano, fruto do desemprego alto, que resultarão nestes números e fatos significativos”, destaca Rodrigo Mariano.

Produtos semielaborados (Carnes, Leite e Cereais)
As carnes bovinas caíram 1,66% e os suínos 1,81%. Já as aves subiram 2,99% em novembro, puxadas pelo frango, que subiu 3,11%. Vale ressaltar que mesmo com as compras de final de ano, que se concentram nas aves, o peru continua com redução de 5,54% em 2017. Já o frango, apesar da alta no mês, ainda está com redução acumulada de 3,45% no ano.

Produtos industrializados
Reduziram 0,93% no mês de novembro, com variação negativa em quase todas as subcategorias. Cafés (2,14%) e doces (2,11%) tiveram praticamente a mesma queda. Porém, os maiores responsáveis pela redução do IPS dos produtos industrializados foram o achocolatado em pó (4,64%) e o sorvete (4,56%).

Produtos in natura

Após um outubro com aumento de 7,92%, os produtos In Natura apresentaram queda de 2,52% em novembro. Os legumes foram especialmente responsáveis por esse número, pois, após subirem 7,2% em outubro, reduziram 9,41% no mês passado. As frutas caíram 1,37% e os tubérculos aumentaram 0,38%. Dessa forma, no acumulado do ano, os hortifrutigranjeiros têm redução de 3,96%.

Bebidas não alcoólicas
Caíram 0,18% em novembro, porém, permanecem subindo 1,62% no ano, puxados pelos refrigerantes, com alta de 2,35%.

Bebidas alcoólicas
Surpreenderam e caíram 1,83%, com a redução de 2,25% no preço da cerveja. Ainda, sim, o aumento é de 1,99% nos últimos 12 meses, sendo a cerveja a principal responsável, com alta de 2,51%.

Produtos de limpeza
Apresentaram redução de 0,48% em novembro. No acumulado de janeiro a novembro a queda é de 1,24%.

Artigos de higiene e beleza
Aumentaram 0,29% em novembro. Porém, no acumulado do ano, a redução é de 0,90%.

TOTVS democratiza acesso à inteligência artificial

Os primeiros passos da inteligência artificial rementem à Alan Turing, matemático britânico, que desenvolveu em 1940 uma máquina capaz de decifrar o “Enigma”, código utilizado pelos nazistas, durante a Segunda Guerra Mundial, dando assim aos aliados uma vantagem que permitiu derrotar mais depressa a Alemanha. Hoje, a inteligência artificial (IA) é capaz de, com base na análise de inúmeros dados, tomar decisões de forma automatizada seguindo a lógica humana.

No entanto, até pouco tempo a IA aplicada aos negócios era cara e estava restrita às grandes empresas – pioneiras na adoção de novas tecnologias. Exatamente como aconteceu com todas as inovações tecnológicas, que só depois de algum tempo se tornaram acessíveis financeiramente às empresas de menor porte.

Porém, a TOTVS quer mudar essa lógica dos negócios e está levando sua plataforma de dados e inteligência artificial, a Carol, ao mesmo tempo, para todos os portes e segmentos de empresa - sejam elas grandes ou micro.

O objetivo é que sua tecnologia de IA seja de fácil adoção e uso às empresas tanto quanto as soluções de IA da Apple e do Google são para as pessoas. As recomendações personalizadas dessas tecnologias fazem com que tenhamos expectativas mais altas sobre as máquinas inteligentes e dispositivos que usamos.

Essa mesma facilidade de uso e inteligência é esperada pelos usuários dos sistemas de gestão ou de qualquer outro software corporativo. Para atender a essa demanda dos usuários e possibilitar o acesso de forma rápida e acessível financeiramente, a plataforma da TOTVS lançada em junho, está sendo embarcada nos sistemas da companhia.

Desta forma, o proprietário de um food truck poderá ter acesso aos insights trazidos pela Carol sem precisar investir uma alta quantia na tecnologia. Basta adotar o Bemacash, solução única de ponto de venda voltada aos micro e pequenos varejos da TOTVS, para obtê-los. Assim, sempre que o empreendedor registrar um novo produto no Bemacash, receberá uma notificação, dentro do próprio software, com sugestão de preço. Para checar à essa recomendação, a Carol avalia o mercado-alvo, concorrência, custos, sazonalidade, entre outros fatores para tomar a decisão e facilitar o processo de precificação do microempreendedor.

Esse é apenas um dos processos que a plataforma de IA da TOTVS simplificará no dia a dia das empresas. E, quanto mais organizações usarem a tecnologia, mais inteligente e assertiva ela será em suas sugestões e tomadas de decisões.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Rede de supermercados Coop anuncia investimentos

A Coop – Cooperativa de Consumo, a maior rede de supermercados do ABC,  anunciou nesta manhã (12) que pretende investir R$ 94 milhões em 2018. Desse montante, mais de R$ 90 milhões serão investidos na região do ABC, com a inauguração de uma nova loja ainda no primeiro semestre, nove drogarias de rua e um posto de combustível, além da modernização de suas lojas e da área de TI (Tecnologia da Informação).

Marcio Valle: "Os investimentos serão concentrados no ABC" 
De acordo com o diretor-presidente Marcio Valle, o interesse em abrir nova lojas no interior de São Paulo continua, mas no momento as novas oportunidades surgiram na região do Grande ABC, onde detém 25% de share e maior número de unidades.

A previsão da Coop é encerrar este ano com crescimento nominal de 4% e fornecimento (faturamento total) de R$ 2,2 bilhões. Durante 2017, a Coop inaugurou duas lojas com investimento total de R$ 19,7 milhões, e outras duas drogarias, sendo que a terceira deste ano abrirá suas portas na próxima quarta-feira (20) em Santo André, no Centro.

Num prazo de quatro anos, a Coop deverá chegar a 80 drogarias, praticamente o dobro da estrutura atual de 44 unidades, sendo 31 anexas às lojas de autosserviço e outras 13 de rua. O programa de expansão está respaldado num estudo de oito meses conduzido por consultoria especializada, que reavaliou o modelo de negócio até então desenvolvido pela empresa. “O setor drogaria já detém participação de 17% no faturamento geral da rede, percentual que vem aumentando desde 2013 com a investida da Coop na instalação de drogarias de rua”, revela Marcio Valle.

Nos últimos dois anos, a Coop vem investindo pesado na modernização de suas lojas. Atualmente, 60% das lojas instaladas já foram contempladas com o projeto de reforma e modernização. Só neste ano, foram investidos R$ 40 milhões em seis unidades, dotando as estruturas com novas tecnologias em frio alimentar, iluminação e ar condicionado, além de outras melhorias. Os investimentos realizados desde 2015, quando o projeto modernização foi lançado, já representa economia de 25 kw/h entre 2016 e 2017.

Também neste ano, a Coop inaugurou a primeira unidade de cafeteria NESCAFÉ® Espresso no Brasil, em parceria com a Nestlé, localizada na unidade Industrial, em Santo André, além do serviço de rotisseria, na mesma unidade.

“Graças aos programas Troco do Bem e Revista Coop, em 2017, a Coop ultrapassou a marca de R$ 2,2 milhões em repasse à Federação das APAEs, ajudando na melhoria da qualidade de vida dos 3.175 assistidos de 10 unidades da APAE instaladas nas cidades onde a Coop possui unidades de distribuição (Região do Grande ABC, Sorocaba, São José dos Campos, Piracicaba e Tatuí). Neste ano, a Coop também doou R$ 350 mil para 19 entidades beneficentes e desde que foi lançado em 2002, o programa de responsabilidade social da Coop já beneficiou 240 instituições do Grande ABC e Interior de São Paulo com verba de mais de R$ 4,85 milhões”, completa o diretor-presidente.


segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Sebrae oferece educação empreendedora em São Caetano do Sul

Da Redação

São Caetano do Sul está entre os mais de 100 municípios que assinaram termo de parceria com o SEBRAE Nacional para implementação de um programa de educação empreendedora. A chefe de gabinete Marisa Catalão, a secretária de Educação, Janice Paulino, e a diretora de Comunicação da Câmara Municipal, Luciana Patara, representaram a cidade.

Representantes de São Caetano e Paulo Skaf | Foto: Divulgação 

O Programa JEPP (Jovens Empreendedores Primeiros Passos) está sendo ampliado e tem por finalidade a difusão e fomento da Cultura Empreendedora nas Instituições de Ensino formais ou através de projetos educacionais realizados por instituições não governamentais que atuam sem fins lucrativos.

O programa prevê capacitação de professores que serão os responsáveis por replicar a metodologia aos alunos. É totalmente gratuito aos municípios e personalizado às necessidades e culturas locais. 

Na ocasião, o presidente do Sebrae Paulo Skaff falou sobre a velocidade das transformações no mundo. Pesquisas recentes apontam que nos próximos 100 anos, a humanidade terá mais mudanças do que nos últimos 20 mil anos. Para isso, gestores precisam preparar suas cidades e, principalmente as crianças, para as novas realidades e tecnologias.



Lei de Incentivo Fiscal beneficia empresas em São Bernardo do Campo

Por Vitor Lima

Foi aprovada, no último dia 6, a Lei de Incentivo Fiscal em São Bernardo do Campo. Por unanimidade, os vereadores da cidade aprovaram a matéria proposta pelo Executivo que reduz o valor do Importo Predial e Territorial Urbano (IPTU) para empresas que gerarem empregos. 

O projeto prevê desconto de 5% para empresas que gerarem, no mínimo, 20 postos de trabalho. Para organizações que empregarem mais de 50 pessoas, o desconto será de 7%; para companhias que contratarem 500 novos funcionários, haverá abatimento de 20% e para aquelas que criarem mais de mil vagas, o desconto será de 30%.

Foto: Gabriel Inamine

 As empresas terão de 1º de abril a 30 de junho do ano que vem para comprovarem a geração de emprego. No fim de 2018, será checada a manutenção deles e, se comprovada, o desconto no IPTU virá em 2019. Os abatimentos podem ser usufruídos por até cinco anos, porém, mediante a comprovação de a abertura de emprego e a sua preservação. O desconto será reavaliado anualmente, conforme os dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Na véspera da votação da matéria pelo Legislativo, o prefeito da cidade, Orlando Morando, esteve na Associação Comercial e Industrial de São Bernardo do Campo (ACISBEC) para apresentar o projeto aos empresários do município. O presidente da ACISBEC, Valter Moura, disse que a medida vem em momento importante para os setores do comércio e indústria, já que o cenário econômico começa a dar sinais de crescimento. “Com projetos de benefício fiscal, as empresas produzem mais, trazem emprego, renda e desenvolvimento”, afirma.

Morando detalhou que com a medida abre mão de arrecadar cerca de R$ 10 milhões, porém a receita voltará por meio de outros recursos. “Se as empresas gerarem mais empregos, a economia gira melhor, reflete no comércio e serviços e ganhamos com ISS”, explica.



sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Dicico inaugura unidade no formato “Multi” em Diadema

Da Redação

Ontem (7), a Dicico inaugurou mais duas lojas com o formato Dicico Multi, localizadas na Av. Radial Leste, capital paulista, e em Diadema. Os clientes terão uma nova experiência de compra, baseada no conceito de loja de vizinhança, que é próxima, com atendimento diferenciado e novidades em produtos e serviços para solucionar todas as necessidades do dia a dia da casa.

“A Dicico Multi tem tudo para quem quer fazer reformas e manutenção. Nesse novo modelo de loja, mantivemos todas as fortalezas da Dicico que são valorizadas pelos clientes, desde preço baixo até atendimento, e agregamos ainda mais na ampliação da variedade de produtos”, afirma Eduardo de Vries, Diretor Presidente da Construdecor, companhia que opera as lojas Dicico e Sodimac no Brasil. Nesse sentido, destacam-se na Dicico Multi as novas áreas Jardinagem e Pet, com acessórios e alimentos para cães e gatos. Outra inovação é o Centro de Cores, onde a marca própria de tintas Kolor é preparada na hora, com mais de 100 mil cores vendidas no mesmo preço que a tinta branca.

Unidade de Diadema já conta com o novo padrão da Dicico | Foto: Divulgação
Em relação ao portfolio de produtos, estão disponíveis as diversas marcas e tendências em pisos e revestimentos, acessórios para cozinhas e banheiros, materiais elétricos e hidráulicos, portas e janelas, ferramentas e ferragens, equipamentos de proteção individual, itens de iluminação, climatização e organização da casa.
  
Sobre o conceito de loja de vizinhança, Eduardo de Vries explica que “a Dicico Multi tem o objetivo de estabelecer uma relação de vizinho para vizinho com os clientes dos bairros onde as lojas estão instaladas. Queremos que eles se sintam na casa de um amigo e venham nos visitar não somente quando fazem uma reforma, mas sempre que precisarem de qualquer produto ou apenas para conferir as novidades e tomar um café com nossa equipe”. 

Para isso, os vendedores especialistas estão à disposição para apresentar a melhor solução ao cliente, seja para pequenas reformas ou para as diversas demandas que surgem no dia a dia, como uma troca de lâmpada ou serviço de chaveiro – um dos muitos serviços disponíveis. Há também serviços de instalação de pisos, revestimentos, portas, janelas, ar-condicionado, louças sanitárias, metais, luminárias, ventiladores, chuveiros e churrasqueiras, além de mão de obra para pinturas em geral. Tudo é pago diretamente para a loja, que oferece garantia sobre o serviço contratado.

Para completar, na Dicico Multi, é possível alugar máquinas e ferramentas, que vão desde parafusadeiras até andaimes, e contar com o serviço de corte de tubos, correntes, fios, lonas, telas de mosquiteiro e passadeiras (tapetes).



Integração de processos: para sua empresa ir mais longe

Por Virgínia Gonçalves, gestora comercial da filial Jiva São Paulo

Os gestores de pequenas empresas acreditam firmemente que sua maior ameaça é a concorrência. Mas o que poucos se atentam, é que na grande maioria das vezes, o ‘inimigo’ está mais perto do que se imagina, na forma de uma administração corporativa ultrapassada, lenta e cheia de gargalos, que impede o crescimento e a evolução dos negócios.



Isso porque em inúmeros casos, a gestão dessas empresas se baseia em ferramentas pouco eficientes, como planilhas, listas e tabelas, que são de uso exclusivo de cada setor, seja vendas, compras, estoque, entre outros. Dessa forma, as informações, que juntas podem ser correlacionadas e gerar insights importantes para guiarem decisões críticas, como corte de gastos ou aumento de produção, ficam limitadas à cada área, de forma isolada.

Por outro lado, o pequeno empresário sente a cada dia, a crescente necessidade de ter informações de todos os processos, de vendas à contabilidade, realizados no dia em tempo real e com acesso rápido, consolidados em apenas uma única fonte de consulta, sem ter que visualizar inúmeras planilhas diferentes, e cruzar seus dados para se chegar a uma conclusão.

A semelhança dos dois cenários descritos acima é a urgência do uso de soluções de gestão, ou ERPs, capazes de integrar toda etapas e processos, e assim possibilitar que os diferentes setores que compõem a empresa conversem entre si. Isto porque a integração dos processos corporativos permite reunir todos os dados operacionais, administrativos e gerenciais em um único sistema, o que garante o fácil acesso a informações distintas e resultados de negócios, mas que se complementam.

Vou dar um exemplo prático de como isso ajuda no dia a dia. Quando um pedido é realizado numa loja e o vendedor imputa essa informação no sistema de gestão, o setor de estoque já é "avisado" sobre isso para dar a baixa no produto. O financeiro, por sua vez, também recebe a informação e já emite a nota fiscal com todos os dados, juntamente com o boleto para que o cliente possa efetuar o pagamento. Tudo de forma automática. Isso viabiliza o acesso rápido à informações seguras e atualizadas para tomada de decisão.

Dentre as muitas outras vantagens da integração de processos, pode-se destacar ainda o fim do retrabalho manual e a eliminação de procedimentos repetitivos, como a replicação de números em diferentes planilhas, uma vez que ela permite automatiza o compartilhamento dos dados por entre as diferentes áreas da companhia. Dessa forma, também diminui consideravelmente os erros de digitação causados por intervenção humana, já que só é preciso colocar a informação uma única vez no sistema, para que ela seja replicada para os demais setores.

Por fim, mas não menos importante, ao integrar os processos corporativos é possível aplicar Inteligência Analítica, ou Business Analytics (BI), às operações de cada empresa, por meio da comparação dos dados de cada setor, cada operação e até mesmo em relação aos resultados de cada dia, mês ou ano. Com isso, as companhias aumentam ainda mais o controle sobre metas comerciais a serem batidas, prazos de pagamento e recebimento, além de antecipar períodos mais fortes ou fracos de vendas, impactando o fluxo de caixa.

Afinal, o BI já é uma tendência em todo o mercado global, e pode ajudar os gestores a encontrar novas oportunidades, e até indicar o melhor momento para ser mais agressivo em uma negociação. Dessa forma, as pequenas empresas podem manter padrões de competitividade compatíveis até mesmo com as grandes organizações dos setores onde atuam.

Para as pequenas empresas, portanto, os benefícios obtidos por meio da gestão integrada dos processos de negócios podem ser um fator fundamental, constituindo a diferença entre sobreviverem ou serem engolidas pela concorrência.

Obs.: Alteramos o título, cuja versão original é "Integração de processos é a chave para as micro e pequenas empresas irem mais longe". 


quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Ajuste o relógio (biológico): como descobrir as horas mais produtivas do seu dia

Por Joshua Zerkel - diretor de Global Customer Education e Community na Evernote

Quem nunca se deparou com o desafio de se manter produtivo o dia todo? Em um mundo perfeito (e dos nossos sonhos), a maioria de nós conseguiria ser eficiente sempre que quisesse, não é mesmo?

Imagine só: a qualquer hora, simplesmente conseguiríamos executar um novo projeto, escrever textos inspiradores ou até inventar o próximo aplicativo da moda.


No entanto, a realidade se mostra bem diferente: temos horários de pico de energia e aqueles assim, meio mais ou menos, que precisamos esticar as pernas, dar uma volta e nos permitir um break para recuperar nossa força e criatividade.

Mas existem formas de – ao invés de simplesmente eliminar os horários menos produtivos do dia (o que, aliás, deve ser evitado!) – reconhecer quando você provavelmente atinge sua melhor performance e buscar otimizar isso. Dessa forma, você poderá impulsionar sua produtividade e trabalhar nas tarefas mais desafiadoras e criativas.

Ok, mas como?
Todos nós temos um "relógio" interno que nos acompanha
24 horas e determina estados de alerta e quais serão os momentos de sono. Os horários são diferentes para todo mundo, mas o ciclo é universal.

No entanto, um fato se mantém constante: os períodos de produtividade duram, em média, de 90 a 120 minutos. Estes períodos de tempo são conhecidos como "ciclos ultradianos". O começo deste ciclo é o momento em que o indivíduo tem o seu cérebro mais energizado e focado. Aos poucos, a energia passa a diminuir e, ao final, simplesmente a efetividade não será tão alta.

São esses os momentos de produtividade máxima que representam então a hora certa para dedicar-se aos projetos mais desafiadores, estratégias criativas e decisões críticas.


Joshua Zerkel 


Ao passo que, para as tarefas mais rotineiras e soluções de problemas menos complexos, a ideia é usar os períodos de menor energia para resolver estes pontos e, assim, não tornar o seu cérebro sobrecarregado.

Mas, como identificar e descobrir quais são os seus ciclos ultradianos? Pode ser mais fácil do que você imagina. Confira abaixo algumas dicas:

Anote dados sobre o seu dia
Durante a semana, em intervalos de tempo de mais ou menos 1 hora, anote quais foram as tarefas até então cumpridas. Para cada uma delas, se pergunte: qual o grau de foco, entusiasmo e energia dedicado a essas funções?

Treine sua mente para perceber se algum fator vem atrapalhando o desempenho de suas tarefas ao longo da semana.
Após alguns dias de coleta de dados, você começará a ver um padrão se desenvolvendo de quando o seu foco, energia e entusiasmo parecem estar maiores e menores. Continue marcando seus dados, e após uma semana ou duas, você terá indicadores consistentes das horas do dia ou da noite em que seus ciclos ultradianos estarão ativos para ajudá-lo a impulsionar sua produtividade.

Trabalhe os seus dados
Ao reconhecer quais os períodos de maior energia e foco, cabe a você
otimizá-los em blocos de tempo ininterrupto para trabalhar ou criar. Um exemplo de um dia de trabalho produtivo em sintonia com o ciclo ultradiano seria mais ou menos assim:
- Assim que começar o seu dia de trabalho, treine a sua mente para focar no seu projeto durante 90 minutos;
- Levante e tome um café, se dê um intervalo de 20 minutos;
- Revigorado, volte para sua mesa e comece seu segundo impulso de produtividade;
- Ao atingir o seu limite, é hora de voltar sua atenção para trabalhos de menor concentração, como reuniões com colegas e respostas a e-mails;
- Termine a tarde (ou noite ou madrugada, dependendo dos horários em que trabalha), com um último ciclo de produtividade de 60 minutos.

3. Preparação para o pico de produtividade
Em seu pico de produtividade, você deve se colocar em modo de concentração total. Liberte o seu ambiente de interrupções externas e distrações desnecessárias.

Apesar de se afirmar que os períodos de produtividade contemplem de 90 a 120 minutos do ciclo ultradiano, muitas vezes, é raro que consigamos alguns minutos sem interrupção. Por isso, tente aliar o seu pico de produtividade ao período no qual você sabe que as interrupções serão menores.

4. Respeite seus ciclos
Algumas pessoas são melhores no começo da manhã: levantar antes do sol nascer dá a elas o silêncio e o foco que precisam. Outras pessoas, fazem o seu melhor trabalho ao final do dia.

5.Trabalhe de maneira inteligente
Ao descobrir quando você passa pelos picos de produtividade, usando estes momentos de maneira mais eficiente, você também consegue experimentar um tempo de descanso necessário sem aquela sensação de que você deveria ou poderia estar fazendo mais.

Dica bônus: no link 
https://www.evernote.com/shard/s308/sh/453583da-e243-4e37-8377-bd1d4e12a260/d9ea6e6ffc

você pode acessar um template no Evernote para escalar seus momentos de maior foco e usá-lo para acompanhar a si mesmo a cada hora usando uma escala de 1-5 em relação ao seu engajamento e motivação.

A verdade é que nem sempre você conseguirá realizar tanto quanto gostaria, mas descobrir o seu momento de produtividade máxima já é um passo significativo para um dia a dia proveitoso.

******************************************************************************
Leia a edição 90 da Negócios em Movimento em 
http://www.negociosemmovimento.com.br/edicoes-da-revista/revista-negocios-em-movimento-ed-90/

****************************************************************************************************



terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Cannabis Medicinal pode movimentar US $ 1,4 bilhão no Brasil

A New Frontier Data, autoridade global da indústria de cannabis em relatórios de inteligência de negócios e análise de dados, em parceria com The Green Hub, uma das primeiras plataformas de pesquisa e informação de cannabis medicinal no Brasil, acaba de publicar sua primeira análise aprofundada do mercado brasileiro – Cannabis Medicinal no Brasil: 2018 Visão Geral, com detalhamento do potencial impacto da legalização da cannabis medicinal no Brasil.



Segundo o estudo, a legalização da cannabis medicinal pelo governo brasileiro para diversos tratamentos, como ansiedade, câncer, autismo, Alzheimer e outros, o número de pacientes nos primeiros 36 meses de vendas legais de cannabis poderia chegar a 959 mil. Ao incluir o seu uso também no tratamento de dor crônica, o número alcançaria aproximadamente 3,4 milhões de pacientes ao ano, movimentando o equivalente a US$ 1,4 bilhão (R$ 4,7 bilhões) na economia do país.

"O interesse contínuo do Brasil pela legalização potencial da cannabis medicinal é parte de um fenômeno global, pois dezenas de países de todo o mundo começaram a considerar a cannabis como um tratamento médico viável para uma variedade de doenças e condições. Dada a vasta área territorial do Brasil, clima e localização geográfica estratégica, o Brasil possui grande potencial de mercado, não só para aplicações médicas domésticas, mas também para expandir sua exportação para países incapazes de cultivar localmente, como Europa e América Latina", disse a fundadora e CEO da New Frontier Data, Giadha Aguirre de Carcer.

O CEO da brasileira The Green Hub, Marcel Grecco, confirma as palavras de seu parceiro americano. “Existe atualmente um grande interesse pela legalização da cannabis medicinal no Brasil, bem como o entendimento do impacto potencial dessa legalização e regulação da cannabis no Brasil. Trabalhando em conjunto, The Green Hub e New Frontier Data estão melhor equipados para fornecerem não apenas às empresas privadas, mas aos órgãos governamentais e aos reguladores, os dados, a avaliação e os conhecimentos dos esforços de legalização em todo o mundo, para avaliar o potencial jurídico, econômico e social. Esses recursos serão inestimáveis, pois os funcionários do governo brasileiro terão dados seguros e legais para examinarem o assunto”, explica Marcel Grecco.

A parceria entre New Frontier Data e The Green Hub foi firmada para fornecer aos reguladores e legisladores locais, regionais e nacionais que estão trabalhando ou interessados no desenvolvimento da indústria de cannabis medicinal, os dados que eles precisam para tomar decisões assertivas. O relatório Cannabis Medicinal no Brasil: 2018 Visão Geral é o primeiro passo para a obtenção de análise de dados socioeconômicos, com estatísticas e informações precisas sobre métodos científicos, testes e tecnologias de cannabis para o mercado brasileiro de cannabis medicinal.

"Estamos muito felizes pela oportunidade dessa parceria com uma empresa perspicaz e pioneira como The Green Hub em um momento tão determinante, não só no Brasil, mas também em outros países, cujos players comerciais desse setor começam a surgir", afirmou Aguirre de Carcer.

Para obter mais informações sobre o relatório, visite http://thegreenhub.com.br

A New Frontier Data fornece análise e relatórios objetivos, rigorosos e abrangentes para o setor emergente de cannabis em todo o mundo, os quais já foram utilizados em mais de 65 países em todo o mundo para informar os líderes da indústria. Fundada em 2014, a New Frontier Data está sediada em Washington, DC, com escritórios adicionais em Denver e não se posiciona sobre os méritos da legalização da cannabis. Sua missão é informar as decisões políticas e de negócios relacionadas à cannabis através de uma análise rigorosa, neutra e abrangente da indústria legal de cannabis. Para mais informações sobre New Frontier Data, visite: www.newfrontierdata.com

A The Green Hub tem sede em São Paulo e é especialista em projetos relacionados à cannabis medicinal. Com um programa de aceleração único e inovador, a empresa visa elevar o nível de conhecimentos de uma nova especialidade médica no Brasil e no mundo. Fundada em 2016, o objetivo da empresa é trazer inovação para o setor de saúde, melhorando a qualidade de vida das pessoas e suas famílias. Para mais informações sobre The Green Hub, visite www.thegreenhub.com.br.


ACISA é premiada por excelência em gestão comercial

A ACISA foi vencedora do Prêmio AC Mais na categoria Melhores Práticas BoaVista SCPC, concedido pela Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp). A premiação aconteceu durante a 18ª edição do Congresso Facesp, realizada entre os dias 22 e 24 de novembro na cidade de Atibaia.

Evenson Dotto, presidente da Acisa. 
Esta categoria avaliou o crescimento financeiro e quantidade de Novos Registros de Débitos, além do desempenho na Gestão Comercial, Gestão de Oportunidades, Padronização e utilização da Marca BoaVista SCPC.

“Esta conquista é o resultado do trabalho de toda a equipe da ACISA, que sempre está buscando aperfeiçoar os seus processos de melhoria e qualidade do atendimento aos nossos associados”, ressalta o presidente Evenson Robles Dotto.

No ano passado, a ACISA também foi premiada pela Facesp na categoria Desenvolvimento Local – Município Grande Porte, em reconhecimento às melhores práticas e resultados obtidos em 2016.


segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Confiança dos micro e pequenos empresários continua em alta

Por Flávia Albuquerque - Repórter da Agência Brasil

O Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) chegou aos 51,1 pontos em novembro, após atingir os 52,7 pontos no mês anterior. A escala varia de zero a 100, e resultados acima de 50 mostram otimismo entre os entrevistados.

De acordo com o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, ao pensar sobre seu próprio negócio, os empresários mostraram-se muito mais otimistas do que ao avaliar o desempenho da economia, ainda visto como negativo nos últimos seis meses. “De todo modo, o número de empresários que têm essa percepção vem caindo ao longo dos meses. Isso reflete o processo de retomada que a economia brasileira começa a esboçar, com a queda da inflação, redução dos juros e com o tímido resultado da atividade esperado para 2017”, disse.

O Indicador de Expectativas, que busca medir o que os empresários aguardam para os próximos seis meses, marcou 60,6 pontos e o Indicador de Condições Gerais, que mede a avaliação que os empresários fazem dos últimos seis meses, marcou 39,4 pontos. De acordo com a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, ao longo de todos os meses a avaliação do passado ficou bem abaixo das expectativas para o futuro.

“No último mês, mais de 20 pontos separaram a avaliação do passado das perspectivas futuras. Ao longo dos últimos meses, a economia exibiu alguma melhora: os juros e a inflação cederam e atividade começou a se recuperar. Mas nada disso repercutiu de modo significativo no dia-a-dia do micro e pequeno empresário”, explicou.

Expectativas
Segundo a pesquisa, a avaliação dos empresários sobre a economia nos últimos seis meses registrou 35,5 pontos, enquanto a análise do desempenho de seu próprio negócio chegou aos 43,3 pontos. No caso das expectativas para os próximos meses, a dimensão da economia mostrou 55,1 pontos e a dos negócios 66,0 pontos.

O levantamento mostrou também que 54% dos micro e pequenos empresários consideraram que a economia piorou nos últimos seis meses, mas 42% mostraram confiança de que os próximos seis meses serão melhores. Quando questionados sobre o desempenho dos negócios, 39% notaram piora recente em suas empresas, mas 60% demonstraram confiança com relação ao futuro. De acordo com o indicador, 44% dos micro e pequenos empresários que estão otimistas com a economia não sabem explicar a razão desse sentimento positivo. Outros 24% mencionam a melhora de indicadores econômicos e 15% acreditam na resolução da crise política.

Entre aqueles que estão com boas expectativas com a economia, 30% não sabem explicar os motivos. Para 21%, os investimentos na empresa podem ser a razão. Outros 20% citam a boa gestão dos negócios. Os micro e pequenos empresários que esperam crescimento são 45%, enquanto aqueles que esperam por estabilidade são 40%.

Para os pessimistas, a política é a principal razão por não acreditar em melhoras na economia para o futuro (41%). Entre aqueles que notaram piora no desempenho de seus negócios nos últimos seis meses, 75% dizem que a queda das vendas é o sintoma mais evidente. Os empresários que não estão confiantes com o futuro de sua empresa chegam a 64%, apontando como causa principal para isso a crise econômica e a queda das vendas (19%).


Pedidos de falência caem em 2017

Por Daniel Mello - Agência Brasil
O número de pedidos de falência no Brasil caiu 17,1% de janeiro a novembro em comparação com o mesmo período de 2016, segundo levantamento divulgado hoje (4) pela Boa Vista - Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). De outubro para novembro, as solicitações de falência caíram 4,5%.

Por outro lado, as falências decretadas subiram 3,1% no acumulado do ano até novembro em relação a 2016. Os pedidos de recuperação judicial tiveram retração de 23,3% no período, apesar da alta de 41,5% registrada em novembro na comparação com outubro.

Segundo o SCPC, a queda nas falências verificada ao longo deste ano indicam que as empresas passam a ter melhores condições de solvência após um período de intensa redução da atividade econômica, acompanhada de queda no consumo. “Tendência que deverá ser mantida devido às melhorias das condições de juros, spreads [diferença entre taxa de captação dos recursos pelos bancos e juros cobrados dos clientes], inflação, entre outros fatores”, destaca a consultoria.


quinta-feira, 30 de novembro de 2017

ABC faz parte do 1º Congresso da Indústria 4.0, organizado pela Fiesp

Da Redação

Nos próximos dias 5 e 6, será realizado, em São Paulo, o 1º Congresso Brasileiro de Indústria 4.0, uma iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), em parceria com o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP).

Durante os dois dias, palestrantes nacionais e internacionais discutirão os impactos da chamada Quarta Revolução Industrial (Indústria 4.0) no Brasil, o cenário global das tecnologias disruptivas e de que forma a indústria brasileira pode se preparar para estes novos modelos de negócios.

No dia 5, o Congresso será realizado das 9h às 18h, no Teatro do Sesi, e contará com quatro painéis de debates, além de uma exposição tecnológica no local com empresas e agências de fomento. A ABDI disponibilizará um estande para divulgação de projetos de apoio à inovação, tais como o Programa Rumo à Indústria 4.0, realizado em parceria com a Fiesp e o Senai-SP, o Programa Nacional Conexão Startup Indústria e o Ambiente de Demonstração de Tecnologias para Cidades Inteligentes.

Participarão da mesa de abertura o presidente da ABDI, Guto Ferreira, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, o vice-presidente da Fiesp e diretor titular do Departamento de Competitividade e Tecnologia da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho e o diretor regional do Senai-SP, Walter Vicioni. Também estão previstas as presenças dos ministros da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, e da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Gilberto Kassab.

Das personalidades internacionais estão confirmados Byoung-Gyu YU, presidente do Instituto Coreano para Economia Industrial e Comércio, Rainer Stark, diretor da Divisão de Criação de Produtos Virtuais, do Instituto alemão Fraunhofer IPK, Karin Mayer Rubinstein, presidente e CEO da IATI (Israel Advanced Technology Industries – Organização de Indústrias Tecnológicas Avançadas de Israel), Lynne McGregor, especialista em Manufatura de Alto Valor Agregado na Instituição Innovate UK; Suresh Kannan, membro do Industrial Internet Consortium (IIC) e presidente da Digiblitz e Yutaka Manchu, secretário-geral adjunto do Conselho de Revolução Robótica do Japão e especialista em Internet das Coisas Industrial.

O segundo dia do Congresso será marcado por uma visita, no período da manhã, à exposição tecnológica do Senai-SP, em São Caetano do Sul, e a realização da palestra "A Quarta Revolução Industrial, a Empresa Digital e o Futuro do Emprego". Para participação na visita, serão disponibilizados ônibus que sairão da sede da Fiesp. Para isso, será obrigatória a inscrição com antecedência no link do evento.

Confira a programação completa do 1º Congresso Brasileiro de Indústria 4.0: http://hotsite.fiesp.com.br/industria40/index.html

Indústria 4.0

A quarta revolução industrial ou Indústria 4.0 considera o aumento da informatização na indústria de transformação, onde máquinas e equipamentos (objetos físicos) passam a ser perfeitamente integrados em redes de internet.

Como resultado, a produção será verticalmente conectada com o processo de negócios e horizontalmente conectada às cadeias de valor dispersas geograficamente e que podem ser gerenciadas em tempo real.

Desta forma, os processos de produção tendem a se tornar cada vez mais eficientes, autônomos e customizáveis. Por meio da conexão de máquinas, sistemas e ativos, as empresas poderão criar redes inteligentes ao longo de toda a cadeia de valor.

Trata-se de um conjunto de tecnologias que alinha as áreas de automação, controle e informática na produção em série de forma nunca vista antes. De forma a controlar, no Brasil, o funcionamento de uma máquina em operação na Alemanha, por exemplo.

Algumas tecnologias consideradas 4.0 são: análise de Big Data (coleta, processamento e análise de grande quantidade de dados em tempo real), Computação de alta performance, Comunicação de máquina para máquina (M2M), Digitalização; Inteligência Artificial, Internet das Coisas (Internet of Things – IoT), Internet Industrial das Coisas (IIoT), Manufatura aditiva (por exemplo, impressão 3D), Monitoramento e controle remoto da produção, Realidade aumentada; Robótica, Sensores inteligentes e Simulações virtuais.



Atividade da indústria tem a 7ª alta consecutiva e avança 0,3% em outubro

Da Redação

O Indicador de Nível de Atividade (INA) da indústria paulista apresentou a sétima alta consecutiva ao marcar variação positiva de 0,3% em outubro ante setembro, na série com ajuste sazonal. Na série sem ajuste, os resultados para o mês e na comparação anual também oscilaram positivamente, 0,8% e 3%, respectivamente. No acumulado em 12 meses, o INA subiu 1,8%, mostrando o melhor resultado desde fevereiro de 2014 (0,3%). O fator vendas reais foi o principal influenciador do avanço do mês, ao subir 3,2% em outubro. Enquanto que a variável das horas trabalhadas na produção e o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) recuaram 0,7% e 0,2 p.p, respectivamente. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 30/11, pelo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp).

Segundo Paulo Francini, diretor titular do Depecon, com o passar dos meses, consolidou-se o movimento de recuperação na indústria paulista. "Apesar de ainda existir alguma indefinição, principalmente em relação à reforma da previdência, a situação é favorável. Esperamos que o INA feche 2017 com alta de 3,5%", aponta.

Entre os setores pesquisados, os destaques ficaram por conta de produtos farmacêuticos, com alta de 3,6% em outubro, na série com ajuste sazonal. As horas trabalhadas na produção e o total de vendas reais avançaram 0,2% e 8%, respectivamente. Já o NUCI recuou 0,3 p.p.

O INA de máquinas, aparelhos e materiais elétricos avançou 1,5% no mês. As horas trabalhadas na produção ficaram estáveis (0,0%). Já o total de vendas reais e o NUCI subiram 4,1% e 0,3 p.p, respectivamente. Por outro lado, o setor de veículos automotores teve variação negativa em outubro (-0,6%). As horas trabalhadas na produção caíram 2,9%, enquanto que o total de vendas reais subiu 2,1% e o NUCI cedeu 0,3 p.p.

Sensor

A pesquisa Sensor de novembro, também produzida pelo Depecon, segue pelo décimo mês consecutivo acima dos 50 pontos, marcando 52,9 pontos, avanço de 1,0 p.p ante outubro, quando chegou a 51,9 pontos. O resultado para novembro é o melhor desde dezembro de 2013. Leituras acima de 50 pontos sinalizam expectativa de aumento da atividade industrial para o mês.

Dos indicadores que compõem o Sensor, a variável de vendas também avançou, saindo de 53,9 pontos para 57,1 pontos, acumulando a melhor pontuação desde maio de 2010. O indicador de estoque subiu 1,6 pontos ante outubro, marcando 49,9 pontos. Pontuação abaixo de 50 pontos indicam que os estoques estão acima do nível desejado. Já a variável que que capta as condições de mercado recuou para 54,1 pontos em novembro, ante os 55,0 pontos de outubro. Acima dos 50,0 pontos indica melhora das condições de mercado.

O indicador de emprego também teve variação negativa, ao cair 0,3 p.p, para 51,6 pontos. Resultados acima dos 50,0 pontos indicam expectativa de contratações para o mês.



quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Plataforma reúne nomes consagrados para fomentar negócios e inovação

Da Redação

Proposta da “AAA” é usar a expertise dos empreendedores Ricardo Amorim, Arthur Igreja e Allan Costa para transformar o que acontece de mais importante e disruptivo no mundo em insights com impacto significativo nas carreiras e nos negócios dos seus clientes.

Com mais de 2,5 milhões de seguidores nas redes sociais e cerca de 3 mil solicitações de palestras e eventos por ano, os especialistas Ricardo Amorim, Allan Costa e Arthur Igreja perceberam a necessidade de ampliar a capilaridade para atender um público ávido por análises disruptivas de tudo que está acontecendo em tecnologia e inovação no Brasil e no mundo, mas que não tem todo o tempo necessário para acompanhar de perto esta revolução.

Da esquerda para direita: Arthur Igreja, Ricardo Amorim e Allan Costa | Foto: Divulgação 

Para atender este público, os sócios colocaram em operação a AAA (Triple A). Uma multiplataforma focada em disrupção em negócios, carreiras e economia transformadora. Trata-se de um modelo pioneiro no Brasil, que reúne alguns dos mais populares especialistas sobre o assunto para apontar e analisar o que acontece de mais importante no mundo da inovação e entregar insights que podem transformar o direcionamento de empresas e profissionais.

AAA vem do nome de seus fundadores/gestores e também indica o nível da proposta, que é encapsular informações de alto valor, potencializadas por uma rede de relacionamento voltada para a geração de negócios. Amorim detalha: “A razão de ser do Triple A é não só educar, mas fazer as pessoas e organizações agirem, transformando-se em algo novo e melhor. Queremos conectar informações e fomentar negócios, criatividade e disrupção”, explica. 

De acordo com ele, o momento pela qual o mundo está passando faz com quase todos tenham de mudar. “A escolha é dirigir a mudança ou ser atropelado por ela”, diz.

Tendência

O modelo da AAA nada tem a ver com os infoprodutos hoje disponíveis no mercado brasileiro, que, em geral, oferecem conteúdo atemporal e abordagens genéricas na intenção prioritária de alcançar um número maior de pessoas. “Apostamos em um ambiente virtual que valoriza a troca de experiências, fomentando o surgimento de conexões e operações. Queremos concentrar, filtrar, contextualizar e identificar oportunidades, viabilizando o que, normalmente, só seria possível obter investindo muitas e muitas horas preciosas em cursos, atualizações, palestras específicas dentro ou fora do país”, enfatiza Igreja.

A plataforma é um sistema pago composto por vídeos, entrevistas, textos, arquivos de áudio, webinários e outras mídias. A inovação e pioneirismo, entretanto, não moram aí. Os formatos são meio e não fim. O que os autores propõem é uma curadoria que separa o que realmente importa em um universo cheio de ruídos e comunicar apenas o que faz diferença para empresas e profissionais. É fornecer conhecimento para decisões, poupando-lhes o ativo mais precioso: tempo.

Com o slogan “Os 5 minutos mais transformadores do seu dia”, a ideia é disponibilizar para o assinante materiais exclusivos, desenvolvidos cuidadosamente pelos autores com base em visão privilegiada, contato com os cases mais exponenciais e o trânsito nos principais mercados do mundo. Tudo embrulhado em consumo rápido e acessível de qualquer lugar.

“Em um cenário de grandes mudanças e de impactos tecnológicos indiscutíveis, nosso objetivo é provocar para uma participação ativa, traduzindo a nossa experiência em uma linguagem que o público entenda, absorva e, principalmente, utilize”, destaca Costa.

Outra questão fundamental é a distância entre o formato AAA e as plataformas de conteúdo. “Nosso foco não é macro porque fazemos recortes muito específicos em inovação, tecnologia e disrupção, sempre do ponto de vista das experiências e cases que vivenciamos”, finaliza Ricardo Amorim.

É possível ter acesso como pessoa física ou jurídica. As diferenças de pacotes e features podem ser conferidas em: https://aaa.academy/

Sobre os sócios

Ricardo Amorim: Economista mais influente do Brasil de acordo com a revista Forbes e debatedor do Manhattan Connection. Único brasileiro na lista dos mais importantes palestrantes mundiais do Speakers Corner e uma das 100 pessoas mais influentes do Brasil, segundo a revista Forbes. CEO da Ricam Consultoria, colunista da Gazeta do Povo e da revista Istoé e investidor-anjo.

Allan Costa: Graduação em Gestão Avançada pela Harvard Business School, MSc em Tecnologia e Gestão da Mudança pela Universidade de Lancaster (UK), Mestre em Administração de Empresas pela FGV, MBA pelo IBMEC. Vinte anos de carreira executiva. Autor de “60 Dias em Harvard”, palestrante, investidor-anjo e mentor de startups.

Arthur Igreja: Masters em International Business pela Georgetown University (EUA), Masters of Business Administration pela ESADE (Espanha) e Mestrado Executivo em Gestão Empresarial pela FGV. Pós-MBA e MBA pela FGV. Certificações executivas em Harvard e Cambridge. Atuação profissional em mais de 25 países. Palestrante e investidor-anjo.



Coop inaugura nova loja no ABC e impulsiona geração de emprego

Da redação

Com investimento de R$ 13,4 milhões, a Coop (Cooperativa de Consumo) abriu oficialmente as portas de sua quinta loja em São Bernardo (a 31ª da rede), na manhã desta quarta-feira (29), com presença do prefeito Orlando Morando, do diretor-presidente da marca, Marcio Valle e outras autoridades. Instalada no bairro Assunção, a nova loja conta com 2.380 metros quadrados de área de venda, sendo 180 metros de drogaria, cujo início da operação demandou a contratação de 190 colaboradores, sendo 148 diretos.

Prefeito Orlando Morando (ao centro) prestigiou a inauguração | Foto: Omar Matsumoto/PMSBC
Além do amplo espaço para gôndolas e demais seções, a loja contará com três posições de autocaixas, que permite o pagamento das compras sem ajuda de operadores, 12 checkouts – dois deles na drogaria – iluminação LED e sistemas econômicos e sustentáveis de operação. Ao todo, será disponibilizado mix composto de 26.800 itens tanto de supermercado quanto de drogaria.

"Para a cidade esta inauguração é uma grande alegria. Quanto maior a concorrência melhor para o consumidor. Além disso, estamos comemorando a geração de emprego. Hoje, o varejo emprega muito mais do que a indústria, que se utiliza de robôs em detrimento de pessoas. Temos que inverter a regra de que quando a Prefeitura ajuda fez algo especial. O poder público tem obrigação de ser agente facilitador do desenvolvimento econômico da cidade", discursou o prefeito Orlando Morando durante cerimônia de inauguração, que também foi prestigiada pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo, Hiroyuki Minami.

A nova loja integra pacote de R$ 34 milhões previsto neste ano para a expansão da rede. Além de investir no crescimento da marca no mercado, a Coop trabalha na modernização das lojas já instaladas, o que deverá consumir R$ 40 milhões no total. O programa contempla a reforma e revitalização de seis unidades neste ano.

"A loja que inauguramos hoje reforça nossa presença no município e traz para a região uma operação moderna e funcional, de alta tecnologia na operação e infraestrutura, além de processos que economizam energia, preservam o meio ambiente e garantem a segurança alimentar dos produtos. Traz principalmente o jeito Coop de se relacionar, prestar serviços e dar acolhimento em um ambiente que é a extensão da casa do cooperado. Agradeço a Prefeitura pela forma que fomos bem atendidos para colocar a loja em prática de maneira rápida. É dessa eficiência e empenho que o Brasil precisa.", destaca Valle.



terça-feira, 28 de novembro de 2017

Consultor fala cinco atitudes de sucesso do profissional moderno

Da redação

Atualmente, no mercado de trabalho ser graduado está longe de ser uma vantagem. As empresas pedem especializações, pós-graduação, MBA, idiomas, entre outros requisitos. Segundo o consultor e sócio da TIEX, empresa de gestão e consultoria corporativa, Samuel Lopes, as empresas buscam cada vez mais o perfil do profissional moderno.

“São aqueles funcionários que vestem a camisa da empresa com atitudes primordiais especialmente em situação economia desfavorável”, explica Samuel.  Confira abaixo quais as  cinco  características mais apreciadas pelas empresas:

1 - Proativo
“Já fiz o suficiente pelo que me pagam” ficou no passado. Busque sempre ir além. Os profissionais precisam querer entender mais sobre a sua área de atuação, sobre a área dos seus colegas, sobre a empresa em que trabalham e também sobre o mercado! Você pode não estar sendo pago para ajudar seu colega de setor, ou para participar de projetos além de suas atividades diárias, mas desta maneira você irá colaborar para o crescimento da companhia.

Lembre-se: empresas que não crescem dificilmente geram oportunidades, pessoas que não se destacam têm menor chance de promoção. Além disso, como já dizia o ditado: “conhecimento não ocupa espaço”, ou seja, o aprendizado que terá sendo proativo, ninguém vai tirar de você.

2 – Aprenda a dizer não e ofereça novas perspectivas
Você precisa ter personalidade, se posicionar. Não aceite de prontidão uma ideia do seu líder, que você não se sinta confortável em executar ou que acredite não ser a melhor solução. Converse, exponha seu ponto de vista, tente fazer com que tudo seja repensado. Os líderes precisam de pessoas que pensem que questionem que não tenham medo de falar, quando não concordam com alguma coisa! Se sua perspectiva for sugerida de maneira construtiva e respeitosa, mesmo sendo contraria a ideia inicial do seu líder, ao final ele te agradecerá pelo input.

3 – Saia da zona de conforto
Hoje, o profissional precisa ter uma visão sistêmica, analisar onde sua área impacta na do outro e tentar de alguma forma ajudar outras áreas a serem mais eficientes. Deve-se sempre pensar no futuro, verificar onde todos podem ter problemas e, assim, promover discussões no sentido de se antecipar a esses problemas tomando medidas para evitá-los! Isso é mais um motivo para entendermos da nossa área, da dos pares, da empresa como um todo e do mercado.

4 – Espírito de equipe
Trabalhar com pessoas que pensam como nós, que tem nosso ritmo, cultura parecida é fácil. Mas como pensar diferente, “sair da caixinha”? Tenha uma equipe que possua diferentes pontos de vista, mas que se respeitem e que trabalhem por um objetivo único. Desta forma, com certeza, obterá resultados muito mais eficientes, além de conquistar um “mar de possibilidades” e aprendizados. Ou seja, heterogeneidade e diversidade trazem mais performance.

5– Inovação
Fale o que pensa, compartilhe suas ideias criativas e arrisque-se! Faça acontecer, proponha mudanças, assuma a responsabilidade de colocá-las em prática, não tenha medo de ser diferente. Tenha coragem para abandonar práticas que um dia já tiveram sucesso e fuja do pensamento “concordar para evitar conflitos”. As empresas modernas procuram profissionais com este perfil, principalmente, em tempos de crise. Aplique essas atitudes em seu dia a dia, você terá um enorme diferencial para oferecer à empresa que trabalha e certamente alavancará sua carreira.



Grandes empresas apoiam evento para agentes de viagens

Da Redação

Além de atrair centenas de agentes de viagens de todo o Brasil, o Monde Upgrade confirmou o patrocínio de empresas de grande porte para a edição deste ano. O evento, único no País por ser totalmente focado no sucesso das agências de viagens, orgulha-se de ter o apoio da Schultz Turismo, da Bedsonline, da GTA – Global Travel Assistance e, mais recentemente, da RexturAdvance. Esse fato destaca como o agente de viagens tem um papel importante no turismo.

A edição 2017 do Monde Upgrade ocorrerá em 6 de dezembro | Foto: Divulgação 

De acordo com o diretor Comercial da Monde, Daniel Biancareli, empresa especializada em sistema de back office para agências de viagens e que organiza o Monde Upgrade, se empresas desse porte patrocinam esse evento “é porque continuam tendo o agente de viagens como um importante canal na distribuição do turismo no Brasil”.

“A RexturAdvance atende exclusivamente agentes de viagens e apoia eventos que capacitam e fortalecem os profissionais”, afirma a diretora de marketing, produtos terrestres e TeD da RexturAdvance, Renata Esteves. Em um mercado competitivo no qual as grandes OTAs ganham cada vez mais força, “o atendimento dedicado, a disponibilidade e o conhecimento do agente de viagem garante uma experiência de compra e assistência pós-embarque aos viajantes”, completa.

Presente em todo o Brasil e com mais de 40 anos de experiência na consolidação, a RexturAdvance oferece uma plataforma tecnológica e um atendimento especializado afim de oferecer as melhores tarifas e oportunidades aos agentes de viagens.

Em 2017, o Monde Upgrade vai ocorrer em 6 de dezembro, no Expo Dom Pedro, em Campinas/SP. Com os melhores conteúdos práticos em gestão, vendas, RH e marketing e um ambiente perfeito para o networking, o evento contará com mais de 18 palestras e a presença de cerca de 500 agentes de viagens de todo o País. Interessados devem inscrever-se por aqui.


segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Nix Eventos comemora o ano com evento beneficente

Quando o assunto é festa, a NIX Eventos supera as expectativas do público. No ano passado, a empresa realizou uma festa de final de ano black tie que surpreendeu todo o Grande ABC, com atrações diferenciadas e um cardápio exclusivo. Neste ano, não poderia ser diferente, e a NIX já anuncia o balado, que acontece na próxima quinta-feira, 30, no Espaço Vittre, em São Bernardo do Campo. E dessa vez, o encontro ainda promove uma ação beneficente em prol de duas instituições da região.

Em 2016 a festa foi em traje de gala.
Para a diretora executiva da NIX Eventos, Juliane Mello, a festa de final de ano da empresa já se tornou um marco na região. “Nossos parceiros, clientes e amigos começam a perguntar já na metade do ano sobre a festa, devido ao sucesso do ano passado. Então, já que o nosso negócio é festa, não podemos deixar a nossa de lado. E dessa vez, ainda com um foco muito importante, que é ajudar o próximo. Unir diversão e amor numa mesma data é algo muito positivo para nós”, destaca a empresária.

As duas instituições beneficiadas já são constantemente assistidas pela NIX, a Instituição Assistencial Nosso Lar, que cuida de idosos em situação de risco social ou abandono, e a Casa de Apoio Vida Divina, que acolhe crianças e adolescentes com câncer de outros estados, com seus acompanhantes, durante o tratamento de câncer na cidade de São Paulo. “Melhor do que pedir um quilo de alimento como entrada, decidimos doar o valor integral dos ingressos para as instituições, assim, eles podem comprar os itens que realmente estão em falta”, desta Juliane.

A festa desse ano tem o valor de R$60,00 para um convite que dá direito a acompanhante, o traje, desta vez, não será de gala, e os convidados podem ir mais à vontade para cair da diversão, ao som de DJ e aproveitar o cardápio de drinks e comidinhas especiais do evento.

Ingressos podem ser adquiridos por meio do endereço rsvp@nixeventos.com.br


Negócios Inovadores é tema de palestra para empresários

A ACISA – Associação Comercial e Industrial de Santo André realizará no próximo dia 30 de novembro (quinta-feira), às 19 horas, a palestra Desenvolvimento de Negócios Inovadores e Formas de Financiamento, voltada para empresários e gestores.

O evento será comandado por Adolfo Menezes Melito, o qual fará uma explanação sobre o universo da economia criativa, empreendedorismo, desafios na criação e desenvolvimento de negócios inovadores e formas de financiamento.

O palestrante é economista com MBA em Marketing e Tecnologia pela ESPM/ITA, fundador e presidente do Instituto da Economia Criativa; presidiu o Conselho de Economia Criativa (Criatividade e Inovação) da Fecomércio SP; conselheiro do Conic-Fiesp, conselheiro da USP Leste Habits Incubadora Escola, fundador e vice-presidente da Associação Brasileira de Equity Crowdfunding; fundador e presidente do Conselho da Plataforma de Equity Crowdfunding MyFirstIPO.


Comércio de São Bernardo prevê aumento de 10% nas contratações no fim do ano

Da Redação

As vagas temporárias para o fim do ano, principalmente no comércio, podem representar para muitos uma possibilidade de contratação definitiva ou uma renda extra para os gastos de dezembro e janeiro. A previsão é da Associação Comercial e Industrial de São Bernardo do Campo (ACISBEC) que prevê um cenário positivo neste ano na cidade. A expectativa é a de que as contratações cresçam cerca de 10% em relação ao mesmo período do ano passado.

Para o presidente da ACISBEC, Valter Moura, a perspectiva é baseada nas características e potencial do mercado consumidor local aliados à infraestrutura com os shoppings, de grandes redes, e o tradicional comércio de rua. 

“Além de tudo, a economia começa a dar sinais de aquecimento, o consumidor e assim como o empresário sentem mais confiança, o que não aconteceu no ano passado. O quadro de inflação baixa, juros em queda, retomada gradual do emprego contribuem para uma projeção mais otimista”, afirma.

De acordo com o dirigente, o setor que mais cresce no fim do ano é o vestuário, seguido por eletroeletrônicos e brinquedos, porque engloba desde uma lembrancinha a produtos mais caros.  “Se isso ocorre nas vendas, acaba replicando também no emprego, demandando contratação de mão de obra para dezembro”, explica Moura.



Cenário econômico de 2018 é tema de palestra.

Como forma de prestar mais um serviço para a classe empresarial, na terça-feira (28 de novembro) às 19 horas, a ACISA – Associação Comercial e Industrial de Santo André, em parceria com o Banco Bradesco, sediará a palestra Perspectivas para o Cenário Macroeconômico 2018.

O evento será comandado por Regina Helena, economista sênior do DEPEC – Bradesco, responsável pela área setorial, com vasta experiência na área econômica, tendo inclusive já atuado na Serasa como coordenadora da equipe de análise setorial e no Banco BBV.

Os interessados poderão fazer sua inscrição gratuitamente por meio do portal www.acisa.com.br e a sede da ACISA está localizada na Avenida XV de Novembro, 442 – Centro – Santo André, com estacionamento no local.

As vagas são limitadas.


sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Empresários de Santo André e suas gestões serão premiadas pelo Sebrae

Por Vivian Silva

Pela primeira vez, Santo André sedia o Prêmio Santo André Excelência em Gestão, uma iniciativa da secretaria de Desenvolvimento e Geração de Emprego em parceria com o Sebrae. A noite de premiação ocorre nesta segunda-feira (27) no Teatro Municipal de Santo André, a partir das 18h. Na ocasião, 100 empresários serão homenageados

A Redemidia, a maior rede de tv indoor do ABC, é reconhecida como excelência em gestão. 
A iniciativa - presente há cerca de 20 anos pelo País – homenageia as empresas que fomentam a economia local, além de servir como parâmetro para melhorar o desempenho das companhias, pois cada empresário para se inscrever precisou responder ao questionário do Sebrae, elaborado com base na metodologia chamada Modelo de Excelência de Gestão (MEG).

Em Santo André, foram inscritas 400 empresas. Deste total, as que obtiveram as 100 melhores pontuações – que variam de 0 a 100 no sistema do MEG – recebem o prêmio.

De acordo com o consultor de gestão do Sebrae-SP, Fábio Costa de Souza, a iniciativa tem como objetivo “valorizar e reconhecer os empresários e empresárias, que fizeram um super esforço para manter suas empresas e atender aos clientes”. Souza ressalta ainda que receber este prêmio é “um motivo de muito orgulho em um cenário ainda bastante desafiador da economia”.

Já o secretário de Desenvolvimento e Geração de Emprego, Ailton Lima, comentou que o objetivo do prêmio vai além do reconhecimento. "Não é apenas o prêmio pelo prêmio, mas sim um projeto que busca fornecer aos empreendedores de Santo André uma ferramenta eficaz para a melhoria contínua de seus negócios", afirma.

Na ocasião, além das homenagens que serão divididas em categorias como Responsabilidade Socioambiental, Indústria, Comércio, Serviços, entre outros, o público irá conferir a apresentação de cases de sucessos. A ideia da Prefeitura é promover anualmente o prêmio.

RedemídiaTV é uma da premiadas
Entre as 100 empresas que serão homenageadas está a RedemidiaTV (www.redemidia.tv.br) maior rede de mídia digital indoor de Santo André. A empresa fundada em 2015 - por Carlos Balladas, que é publisher da revista Negócios em Movimento e do jornal Ponto Final – coleciona prêmios como, por exemplo, um dos três melhores veículos de comunicação da região, escolhido pelo júri do Prêmio ABC da Comunicação, apesar do pouco tempo no mercado.

“Criamos e estamos desenvolvendo a Redemidia.Tv, dentro de parâmetros de excelência em todas as suas áreas, sejam administrativas, comerciais ou de criação de conteúdo. Os critérios do Sebrae, para contemplar empresas com o Prêmio Excelência em Gestão, são rigorosos e abrangem as inúmeras dimensões de uma empresa. Estamos fazendo um grande esforço para implantar as melhores e mais atuais práticas em todos os setores da Redemidia.Tv, o que não é tarefa fácil. Ser reconhecido pelo Sebrae mostra que estamos no caminho correto", avalia Balladas.